segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Um ano sem Vandinha...


"Todos rumo ao acaso, sem nunca ter escolhido. Não é questão de sorte, é jogo vencido. Não me leve agora... Eu não quero ir embora... Tenho tanto o que fazer, tenho um filho pra ter... Tenho motivos pra crer que ainda não é hora."
 
~ "Epílogos e Finais", Agridoce.

No dia 19, minha avó completou um ano de falecida. Marcamos uma missa para ela. No fim, o padre fez uma oração "especial" para todos os entes queridos que se foram. Eu não aguentei e chorei no fim da missa e na oração. Oferecemos velas.

No dia de finados, eu e o Glauco a visitamos no cemitério. Estava tão bonito, cheio de flores. Sempre quis ir ao cemitério no dia de finados. Levei um ramalhete para colocar no túmulo dela. Chorei, me senti mal por não visitá-la com mais frequência, e pela falta que ela tem feito.

Já me acostumei com a ausência dela, mas quando paro para pensar nela e em tudo que houve, sinto a falta dela pesando no peito. Enquanto estou fora, é como um dia qualquer. Quando estou em casa, ainda fico achando que a qualquer momento ela abrirá a porta, e, ao pensar, ainda sinto como se estive em um episódio de "Além da Imaginação". Ainda estranho o fato de morar agora apenas com meu avô.

Embora eu não tivesse muitas conversas produtivas com minha avó, me sinto sozinha mais do que nunca. Além dela, ainda tinha minha irmã de companhia. Quando chego em casa, depois de um dia cansativo de trânsito, trabalho e faculdade, não tem vozes para me distrair. Minha distração tem sido mais a tevê - Discovery, NatGeo, Universal. Nem tenho ficado tanto no computador, porque acho que é tarde demais para ficar na internet só perdendo tempo. Poucas são as horas que estou com meu avô. Geralmente, está trancado no quarto mexendo no computador, isso quando ele está em casa.

Embora que, com a morte da minha avó, eu tenha ganhado mais liberdade e mais "paz" (quem me conhece sabe bem o que quero dizer), não queria que ela tivesse partido. Esse primeiro ano sem ela foi bem difícil, não por causa da tristeza, mas sim a vida ficou mais difícil.

Ainda espero por dias melhores.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Coisinhas...

Com qual fico? :D

Pois é, sumi causa da facul e trabalho, como já disse neste post... Mas vou tentar atualizar mais.

Nesses últimos meses que não tenho tido tempo, não postei minhas últimas aquisições. Então, agora estou fazendo um apanhadão. De fevereiro a junho.
Além dessas coisas, comprei dois óculos, como vocês podem ver lá em cima. Não aguento mais esses meus, to precisando mesmo trocar, as lentes estão ruins.


Estilo nerd & eyecat! <3

Vou ficar com esse, porque acho que ficou melhor no meu rosto, o outro achei grande... Só que a desvantagem é que ele não tem o apoio que tem no outro, no calor, vai escorregar. Na próxima semana, vou à ótica trocar as lentes. Espero que dê certo! *cruza os dedos*


Geo Princess Mimi (Bambi series), da loja Pinky
Paradise.

Também encomendei 2 pares de lentes de contato, da Geo Medical, Princess Mimi Apple Green e Sesame Grey (Bambi series). Chegou bem rápido, acho que não demorou nem 3 semanas, fiquei bem surpresa. Como tenho olho seco, fui ao oftalmo ver como meus olhos estão, e eles estão ótimos! Posso usar, mas não posso descuidar do tratamento e da higiene.

Usei a verde, mas uma delas está incomodando, como tenho olho seco, estou com medo. Entrei em contato com a Pinky Paradise e eles me disseram que enviaria outra. Já tem uma semana, e não me mandaram mais nenhuma resposta. Vou entrar em contato novamente para saber se ele já mandaram. E, aí, faço um review mais decente!

terça-feira, 22 de maio de 2012

O Dia que Quase Morri

Imagem: [link]


Alguma vez a morte já olhou bem nos seus olhos e foi embora? Posso dizer que esta foi a pior experiência que já tive.

Em São Gonçalo, fui ao enterro do meu tio Luciano, que morreu com suspeita de trombose. Tinha apenas 40 anos. Embora eu não adorasse meu tio, fiquei bem triste. Minha tia Débora e minha prima precisam de apoio, e sei o que é perder alguém que era tudo, e sei o quanto é importante ter pessoas ao lado nesse momento.

Seu Eleomar, pai do meu tio, era quem dirigia. Estava bem nas outras vezes. Os carros foram parando no sinal e aí houve a primeira batida. Ele estava devagar, só a mulher dele, ao bater a cabeça no para-brisa, machucou o pescoço. Deveríamos ter ido para um hospital naquele momento.

O carro era velho e malcuidado, não tinha cinto atrás. Tenho costume de usá-lo, então fiquei receosa de andar no carro desde a primeira vez. Depois dessa batida, um alarme estrondoso soou na minha cabeça, principalmente porque eu estava bem no meio. Ainda perguntei para a minha prima se ela não queria trocar de lugar para ficar perto do namorado. Por ser magra e leve, meu medo era de que, se acontecesse outra batida, eu fosse lançada.

Já em uma pista de maior velocidade, aconteceu a segunda batida - seu Eleomar apagou, não fez a curva, batendo na mureta. Cruzou toda a pista e bateu no barranco do lado oposto e parou. A batida foi mais lateral, então não fui projetada para frente. Mas minha cabeça e a da minha prima se chocaram.

Na hora, não fiquei tão nervosa por causa da adrenalina, fiquei aos poucos. O coração parecia que ia estourar no peito. Com a batida, fiquei bem tonta e não conseguia andar direito. Doía demais e ficou muito inchado, Doía também o ouvido. Quase não consegui comer nesse dia, doía até para falar.

Fiquei muito preocupada com a mulher, ela nem conseguia se mexer. O SAMU demorou 1h. Meu pai não quis esperar, me levou para casa da minha tia. Achou que, por estar nervosa, estava exagerando, já que minha prima tinha batido com a cabeça também e parecia que nada tinha acontecido. Mas eu deveria ter ido mesmo ao hospital e teria ficado internada em observação, pois uma batida na cabeça não é uma unha quebrada.

Fui à emergência no dia seguinte. Nem tiraram uma radiografia, já que tinha passado a noite bem (descobri assistindo Fantástico que eu não podia ter dormido). Aparentemente, machuquei o músculo. Já estou boa, o galo já quase desapareceu. Ainda sinto dor no músculo ao forçar a mandíbula. Meu receio é ter piorado minha (provável) D-ATM.

Sei que algo aconteceu para que uma desgraça maior não acontecesse, uma força poderosa nos protegeu ou pura sorte, obra do acaso. Se o carro estivesse mais rápido, se tivesse algum carro passando no momento, ou se não tivesse a mureta, seria realmente mortal. E pensar nisso tudo me fez ficar apavorada – agora fico achando que o carro baterá, e estou com medo de fazer autoescola.

Depois descobrimos que, durante o enterro, alguém deu Rivotril para o pai, a mãe e o irmão do meu tio. Eles, como não sabiam, tomaram. Senti muito ódio dessa pessoa. Por causa dessa irresponsabilidade, pessoas quase morreram. Como alguém dá um remédio tarja preta como se fosse balinha, como se fosse o senhor absoluto da medicina?! Minha vontade foi de socar a cara dela. Espero que esta pessoa tenha sentido no mínimo um peso na consciência absurdo, que ela nem tenha conseguido dormir direito à noite. Não consigo perdoar, minha indignação nunca passará.

terça-feira, 10 de abril de 2012

"Wish You Were Here"

Igor Morais, vítima da tragédia em Realengo.
Imagem: G1.

"Como eu queria, como eu queria que você estivesse aqui. Somos apenas duas almas perdidas nadando em um aquário. Ano após ano, correndo sobre este mesmo velho chão, o que encontramos? Os mesmos velhos medos. Queria que você estivesse aqui."
~ "Wish You Were Here", Pink Floyd.

Já se passou um ano, e pergunto - quantos se lembraram? Não vou julgar quem esqueceu, afinal de contas, se não tivesse sido tão próximo de mim, talvez não tivesse lembrado.

Infelizmente, foi com uma tragédia que meu adorado-odiado bairro ficou conhecido, até mesmo internacionalmente. Antes, às vezes, lembrado na canção de Gilberto Gil - "Alô, alô, Realengo, aquele abraço!". Preferia que lembrassem só da canção.

Um ano depois, o que mudou? Precisou acontecer uma tragédia para que melhorassem a escola e até o ensino. Fizeram as mudanças para tentar enterrar o que houve. Que fizessem a mudança, mas não esquecessem. Deveria ser lembrado sempre, com carinho. "Quem semeia o mal, colhe tempestade." Nossos atos interferem no futuro. É uma lição que deveria ser aprendida.

Naquele dia, eu e meu avô estávamos indo para uma audiência. Passamos ao lado do policial que, meia hora depois, viraria herói. Estava tendo uma blitz na rua. No meio do caminho, minha avó nos ligou dizendo que estava tendo um tiroteio na Piraquara, que tinha criança ferida. Estava com medo de ter sido na escola da minha irmã. Não era. Depois do ocorrido, não se falava em mais outra coisa. Nunca vi tanta gente para falar de "Realengo" e "Piraquara", como se conhecessem.

Moro há 200 metros da escola onde tudo aconteceu. Filhos de vizinhos e conhecidos estudam lá. Conhecia o Igor de vista. Ele era um primo de consideração de um amigo. Já consigo olhar para a foto da minha avó sem meu olhos encherem d'água, mas não para a foto dele. Era bonitinho. Sempre me lembro de como ele se foi tão jovem, com tantos planos e sonhos (queria ser jogador de futebol), da maneira brutal como foi morto. De como ele e o irmão, Dudu, eram tão amigos... É estranho ver o Dudu sozinho, e sempre que o vejo não consigo não pensar no ocorrido. Na dor das famílias...

Antes da morte da minha avó, a perda do Igor foi a maior dor que eu já tinha sentido. Seu enterro foi o primeiro que fui. Se eu sofri tanto por alguém que só conhecia de vista, imagina os familiares. Agora sei que é uma dor indescritível.

Outro fator que me faz não esquecer é a probabilidade de eu ter estudado com o atirador, antes de ele ir para a Tasso, na 5ª série. Lembro que cheguei a estudar com alguns "Wellingtons". Sempre soube que seu rosto me era familiar. Só o conhecia de vista. Tenho quase certeza de que o tenho em uma da minhas fotos de passeio. Quero achá-la. E aí talvez solucione minha dúvida. Já meu amigo estudou com ele no Ensino Médio, também só o conhecia de vista. E quase estudei na mesma escola. Quase sempre passo em frente a casa onde morou.

Falam que ele era tímido, quieto. Que sofreu bullying. "Esquisito". Aí, temos algo em comum. Eu era tímida, quieta, sofri bullying (e ainda sofro às vezes), sempre me tachavam de "esquisita". Questiono: por que será que não fiquei como ele? Talvez porque eu queria encontrar pessoas que me aceitassem, em vez de me afastar completamente. Ou talvez se eu fosse homem, eu tivesse ficado mais parecido com ele. Mas eu nunca pensei em fazer mal a ninguém, mesmo a quem me fez mal. E nunca apoiei atos anarquistas ou terroristas, porque sempre quis tudo certo, dentro das normas. Isso é graças a educação rígida e traumatizante da minha avó, mas ela podia ter me transformado em um monstro.

A tragédia em Realengo me marcou tanto que virou um fantasma. Sei que é pior para aqueles que viveram e ainda vivem o terror. Não houve um único dia que não deixei de pensar, mesmo que por um minuto. E conforme foi se aproximando da data, entrei em contagem regressiva. Lembrar sempre mexe comigo, às vezes, fico com os olhos marejados. Mas até que é bom, para me fazer refletir.

"E todos terão refúgio nas leis. E ninguém mais matará crianças.
Noite após noite, rondando meu cérebro, seu sonho está enlouquecendo-me. E no canto de algum campo estrangeiro, o atirador dorme esta noite. O que está feito está feito. Não podemos simplesmente cancelar sua cena final. Presta atenção ao seu sonho. Presta atenção."
~ "The Gunner's Dream", Pink Floyd.

domingo, 1 de abril de 2012

Show do Roger Waters

Começo do show.

Há umas 2 semanas atrás, estávamos vendo Fantástico. Não é comum fazermos isso, mas quando posso, gosto de assisti-lo. Então passou a reportagem sobre o show.
Glauco: "Ah, não! Tenho que ir!"
Eu: "A gente nunca vai aos shows... E ele já fez show aqui."
Na mesma hora, ele comprou os ingressos pelo celular. Simples assim! Foram R$90, mais taxas, isso porque foi meia. No outro fim de semana, fomos ao shopping retirar os ingressos.

Vista do Engenhão pelo estação de
trem.
E então, chegou o grande dia. O melhor de toda a minha vida. Por causa do trem demorando, acabei por me atrasar, cheguei quase às 19h. Encontrei o Glauco no hotel perto de lá para deixar as coisas. Levamos o mínimo para não correr riscos. Depois o Glauco se arrependeu de não ter levado o celular (grava em HD e fotografa melhor que minha câmera), mas seria muito arriscado ir ao show com um celular de R$2000.

A melhor coisa que a gente fez foi alugar um quarto. Pudemos deixar nossas coisas, não corremos riscos voltando tarde para casa (que é longe), e tomamos banho, depois de um dia cansativo e suado de trabalho, fomos limpinhos e cheirosos. Depois descobrimos que teria trem (mas mesmo assim seria perigoso) e que o pai de um amigo que mora perto da gente iria buscá-lo.

Dentro do Engenhão, antes do
show.
O show começava 21h, mas atrasou 30 minutos, e terminou até cedo, meia-noite.

Encontramos um amigo de trabalho do Glauco com a namorada, então nos sentamos juntos com eles. Eles também optaram pela nossa ideia de alugar um quarto.

Eu estava achando que o lugar que a gente pegou seria ruim, mas até que não. Na realidade, não faria diferença, ia ser ótimo de qualquer forma. Não senti inveja nenhuma daqueles que estavam na pista / pista premium. Tava lotado e teria que ficar em pé. E não conseguiria ter uma visualização tão boa de todo o palco e do muro.

Um pouco antes do intervalo.
O show foi simplesmente incrível, foda. Não tenho palavras para descrevê-lo como exatidão. Quero ainda ir a muitos show, mas duvido que irei a um melhor que este. Foi uma oportunidade única e valeu cada centavo, mesmo eu não sendo fã de Pink Floyd. Houve uma grande sensibilidade artística, "The Wall" é uma verdadeira obra-de-arte.

As melhores partes foram a abertura e a 2ª parte do show. O muro é a alma, é enorme e vai se fechando com o passar o show. A performance do Roger Waters foi digna de um ator. No muro parecia até filme. Para quem disse que não é bom cantor nem bom guitarrista, ele canta e toca até bem. E é um dos tios mais lindos e charmosos que já vi. E o grand finale: a queda do muro.

Intervalo. Ao fundo, no muro, as
fotos das pessoas mortas.
Nem acreditei que teria intervalo. No muro, ficaram as fotos de pessoas que morreram.

Pena que meus cartões de memória ficaram todos cheios. Se eu soubesse teria guardado mais para 2ª parte. Minha câmera ainda me ferrou, pois ela não avisa quando o espaço está acabando, e quando acaba, não salva e o vídeo fica corrompido. Perdi 2 vídeos do show assim.

O que não gostei foi do show ter sido no meio da semana. Ter que enfrentar o trabalho. Tive que faltar a faculdade. Como tive insônia, passei o outro dia mal e nem fui para a faculdade.

No meu Ensino Médio, conheci "The Wall" por um professor, passou o filme como trabalho. Era fã de Pink Floyd. Fiquei pensando que ele deve ter ido ao show. Se não foi, teria o prazer de jogar na cara dele. ahuahauah XD

Tirei poucas fotos, minha câmera é uma merda, então a melhor opção era os vídeos. Glauco tirou algumas, se ele me passar, depois posto. (Obs.: Eu tava horrível, sem maquiagem e cabelo péssimo...)

Os vídeos que fiz - assistam por favor (se tiverem saco):


Achei esse link com umas fotos interessantes do show.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Sem tempo...

Imagem: we<3it.

Sei que já tem algum tempo que não posto. Mas não estou com tempo desde quando minhas aulas na faculdade começaram.

Minha carga horária no trabalho aumentou, estou de 9h às 17h (saudade do horário antigo de 10h às 16h... T.T) E na faculdade, entro às 18h todos os dias. Quinta e sexta chego às 22h, sexta é o terror. T.T Mesmo nos outros dias que chego às 20h, não dá para fazer quase nada. Esse período tá pesado, e sei que não vai melhorar, porque já estou chegando na reta final (pelo menos, da faculdade, mas como quero fazer pós ou cursos de especialização...).

Essa falta de tempo está tão tensa que minhas unhas já não sabem o que é esmalte há quase 3 semanas. E eu não ficava sem esmalte uma semana. Não tenho conseguido nem depilar as pernas. Muito menos cuidar de mim como eu queria... Desse jeito, não vou conseguir essa meta.

Não estou conseguindo nem cuidar da minha pupe. Há vários meses venho furando o calendário, contudo, este mês foi o pior. Acabei pedindo para uma amiga cuidar para mim. Se não estou conseguindo nem fazer snapshot, imagina pegar conchas, postar e responder comentários (que já estão indo para 100).

Falando em comentários, assim como não tenho conseguido postar aqui, não tenho tido tempo para responder os comentários e visitar e comentar nos blogs. Eu acho péssimo... Mas desculpem-me, gente.

Quando consigo entrar na internet (sem ser no trabalho), acabo perdendo o foco do que realmente tinha que fazer. É difícil administrar o tempo livre, principalmente quando é tão pouco. Sou péssima com isso. T.T

Mas então vamos a algumas novidades. Não vou entrar em detalhes, então pode ser que fique faltando informações.

Glauco me deu o "smartphone" dele, e agora tenho celular de conta (bancado pelo Glauco XD)! \o/ Pena que não dá fazer snapshot da minha pupe.

E me deu ramalhete de rosas vermelhas com um cartãozinho fofo no dia das mulheres. Fiquei até emocionada. Pareceu até coisa de dia dos namorados. Pena que não tive tempo nem para imortalizar minhas rosas em uma foto...
"Desde o primeiro dia que te vi, sabia que ia te amar.
Não quero que isso mude nunca. Pois você é a razão de eu respirar.
Te amo,
Glauco Morais."
No dia 10, visitei minha avó no cemitério, pois no dia 13 seria seu aniversário de 62 anos. Levei um vasinho de rosas. Conversei com ela e chorei um pouco. Falei dos problemas e pedi ajuda para resolvê-los. Foi muito bom ter ido lá, vou tentar ir todo mês. E vi uma exumação acontecendo.

Meu avô agora tá se achando "o pegador", e acha que isso é curtir a vida, "passear" com uma diferente cada dia. E ser o babaca delas, porque ele paga tudo. Trouxe até uma para dentro de casa, que ele conheceu pela internet (aliás, todas que ele tem se envolvido). Acredito até que ele pagou as passagens aéreas para ela. Achei uma enorme afronta. Pelo menos, são velhas, seria insuportavelmente pior a sensação se não fossem.

A situação aqui anda tensa. Muitos desentendimentos aconteceram. Meu tio irresponsável contou tudo para minha tia, que está com gravidez de risco. Deu uma merda que só.

No dia 14, Glauco me deu pão-de-mel da Starbucks, de comemoração de White Day. <3

A festa que meu padastro fez para comemorar os aniversários meu, da minha irmã e da minha mãe foi um fiasco. O parabéns foi só para mim mãe (até tudo bem...), nem metade das pessoas que chamei apareceram, fiquei sozinha, e quando finalmente estava curtindo, meu padrasto deu piti com o Glauco. Nem voltei lá. Mas gostei da minha produção (infelizmente, não tirei fotos boas). Penteado inspirado nesse.


 
  • Corsage: Riachuelo.
  • Vestido: Offbrand (post).
  • Casaco: Offbrand.
  • Acessórios: Offbrand.
  • Botas: Di Santinni (post).
Glauco comprou os ingressos para o show "The Wall" do Roger Waters! Pena que a gente não conseguiu pegar um lugar tão bom. Mas é o primeiro show que vou! Vai ser foda!

Ontem, ganhei dois presentes, um babydoll da minha vizinha, e um vestido bonitinho do Glauco. Acho que dá para lolitar com ele, dá para colocar a anágua. Já estou pensando no outfit que vou montar com ele, meio Country puxado para Classic. Preciso muito de sapatos e um cardigã ou bolero vermelhos. Quero fazer algumas alterações nele. Fotos só no próximo post de últimas aquisições.

Então, gente, é isso. Até qualquer dia. :3

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Livro: "Veronica Decide Morrer"

Imagem: AceShowBiz

Terminei de ler este livro finalmente. Sempre que começava, achava chato e desistia. O que me motivou tentar lê-lo novamente foi o filme, que gostei muito. É meio parado, mas a história é envolvente. Como a maioria dos livros do Paulo Coelho,  é meio autoajuda / espiritual.
O livro conta a história de Veronika, uma jovem eslovena, que não aceita a ideia de viver uma vida sem sentido, decidindo se matar com uma overdose de calmantes. O suicídio fracassa. Veronika é internada em uma clinica psiquiatrica. Atendida pelo médico, é informada que não terá mais que algumas semanas de vida, e provavelmente, morrerá internada.
Veronika achava que já tinha vivido tudo que tinha para viver, e que morrer jovem e bonita, enquanto a vida ainda estava boa era melhor. Conforme o tempo passa, convivendo com os loucos, ela sente cada vez mais vontade de viver. Ela acaba interferindo na vida de todos no asilo. Gostei muito da parte em que ela conhece Zedka, que lhe conta a história do poço enfeitiçado.

Algumas partes que gostei:
Imagem: Skoob
Ninguém pode julgar. Cada um sabe a dimensão do próprio sofrimento, ou da ausência total de sentido de sua vida.
Despedir-se. Esta era a parte mais difícil: uma vez num asilo, a pessoa acostuma-se com a liberdade que existe no mundo da loucura, e termina ficando viciada. 
- Por isso eu estava chorando – disse Veronika. – Quando tomei os comprimidos, eu queria matar alguém que detestava. Não sabia que existia, dentro de mim, outras Veronikas que eu saberia amar. 
[...] Estava internada num hospício, e podia sentir coisas que os seres humanos escondem de si mesmos - porque somos todos educados apenas para amar, aceitar, tentar descobrir uma saída, evitar o conflito. Veronika odiava tudo, mas odiava principalmente a maneira como conduzira sua vida - sem jamais descobrir as centenas de outras Veronikas que habitavam dentro dela, e que eram interessantes, loucas, curiosas, corajosas, arriscadas. 
[...] Da mesma maneira, entendia que sempre tivera em sua vida muito amor, carinho, proteção, mas lhe faltara um elemento para tornar tudo isto numa benção: devia ter sido um pouco mais louca. 
“Não confundam a loucura com a perda de controle. [...] 
[...] Mantenham-se loucos, mas comportem-se como pessoas normais. Corram o risco de serem diferentes – mas aprendam a fazer isso sem chamar a atenção.”
“Mas o ser humano é assim”, consolou-se. “Substitui grande parte de suas emoções pelo medo.” 
No caso daquela menina, porém, a cena era dramática - porque era jovem, estava desejando viver de novo, e todos sabiam que isso era impossível. Algumas pessoas se perguntavam: “se isso estivesse acontecendo comigo? Como eu tenho uma chance, será que a estou utilizando?”
[...] Ah, se todos pudessem conhecer e conviver com sua loucura interior! O mundo seria pior? Não, as pessoas seriam mais justas e mais felizes. 
[...] Se todos ali - e lá fora - vivessem suas vidas e deixassem que os outros fizessem o mesmo, Deus estaria em cada instante, em cada grão de mostarda, no pedaço de nuvem que se mostra e se desfaz no momento seguinte. Deus estava ali, e mesmo assim as pessoas acreditavam que era preciso continuar procurando, porque parecia simples demais aceitar que a vida era um ato de fé.
[...] No fundo, a culpa de tudo que acontece em nossa vida é exclusivamente nossa. Muitas pessoas passaram pelas mesmas dificuldades que passamos, e reagiram de maneira diferente. Nós procuramos o mais fácil: uma realidade separada. 
[...] Posso arranjar novos amigos, e ensina-los a serem loucos, para que sejam sábios. Direi que não sigam o manual do bom comportamento, descubram suas próprias vidas, desejos, aventuras, e VIVAM! [...] Posso usar minha experiência para dar conferencias sobre homens e mulheres que conheceram a verdade desta existência, e cujos escritos podem ser resumidos em uma única palavra: “Vivam”. Se você viver, Deus viverá com você. Se você se recusar a correr seus riscos, Ele retornará ao distante Céu, e será apenas um tema de especulação filosófica. 
- Todos nós vivemos em nosso próprio mundo. Mas se você olhar para o céu estrelado, verá que todos estes mundos diferentes se combinam, formando constelações, sistemas solares, galáxias. 
- Você não tem nada a perder. Muita gente não se permite amar justamente por causa disso – porque há muita coisa, muito futuro e passado em jogo. No seu caso, existe apenas o presente. 
“As pessoas vão dizer: ela saiu de Villete, e está enlouquecendo o marido! E ele entenderá que as pessoas tem razão, e dará graças a Deus porque o nosso casamento está começando agora, e nós somos loucos – como são loucos os que inventaram o amor.” 
- É grave forçar-se a ser igual: provoca neuroses, psicoses, paranoias. É grave querer ser igual, porque isso é forçar a natureza, é ir contra as leis de Deus – que, em todos os bosques e florestas do mundo, não criou uma só folha igual a outra. Mas você acha uma loucura ser diferente, e por isso escolheu Villete para viver. Porque, aqui, como todos são diferentes, você passa a ser igual a todo mundo.
Este livro fala do valor da vida e da loucura. Devemos ser mais loucos, "viver como se não houvesse o amanhã" - viver de verdade, da maneira que faz nos sentir bem, libertos da vontade alheia, das amarras da sociedade, dos nossos traumas. Sermos mais espontâneos e sinceros.

Minha avó era rígida, não me permitia algumas coisas. E por causa dela, tenho vários bloqueios. Sou certinha demais às vezes, tenho medo de fazer algo e me arrepender. Então não costumo fazer loucuras. Porém, percebo o quanto tenho deixado de viver e sei o quanto preciso me libertar. Apesar de ainda sofrer com a perda dela, o quanto sinto falta dela, vejo a oportunidade de mudar. Nas minhas metas deste ano, está o começo do processo, mas mal comecei a cumpri-las. Não sei se conseguirei sozinha, é muito difícil mesmo.

Bom, espero que eu consiga me permitir um pouco de loucura.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Meme 11 Perguntas

Imagem: we<3it.

Recebi este meme da Amy, uma fofa.

Regras: 
  • Cada pessoa deve postar 11 coisas sobre si mesma em seu blog.
  • Responda as questões de quem te deu a tag no seu post e crie 11 novas perguntas diferentes para passar adiante.
  • Você deve escolher 11 pessoas para dar a tag e colocar o link delas no seu post.
  • Ir para a página dessas pessoas e dizer a elas que você as indicou.
  • Não indique a tag para quem já te indicou.

Sobre mim:
  1. Como a Amy, também tenho dificuldade de me definir.
  2. Já fui católica, "evangélica", bruxa. Agora, não sei, tendo para o Ateísmo e para o Agnosticismo, mas  sinto vontade de voltar à Velha Religião.
  3. Imagem: we<3it.
  4. Adoro fotografias. Aliás, qualquer Arte. Também adoro Artesanato.
  5. Adoro doces, principalmente torta de limão. Adoro dormir com barulho da chuva.
  6. Adoro insetos (e um pouco de plantas). Acho-os muito interessantes. Tenho muita vontade de estudar Entomologia.
  7. Quando eu era criança, gostava de carrinhos de controle remoto. Era muito cuidadosa com os brinquedos e tinha medo de quebrá-los ao brincar com eles.
  8. Já fui racista, quando bem pequena. E não gostava de comer feijão preto, porque tinha medo de virar negra. Mas fiquem tranquilos que não sou assim há muito tempo, tenho amizade com pessoas maravilhosas e negras.
  9. Quando eu era nova, achavam que eu era lésbica.
  10. Se tem coisas que odeio é hipocrisia e intolerância, qualquer coisa que prive liberdade de escolha e de ser. Como disse Evelyn Beatrice Hall: "Desaprovo o que dizes, mas defenderei até a morte teu direito de dizê-lo."
  11. Não gosto de bullying. Não suporto trolls e haters. Por isso, me mantenho longe e tento não dar brecha para esse tipo de gente mesquinha.
  12. Sou conhecida como Luxferia. A ideia veio de uma música, "Luciferia", e de uma marca, "Luxfer". Obviamente, é uma referência a "Lúcifer", que significa "Estrela da Manhã" ou "Estrela D'Alva", mas de nenhuma maneira o adoro. Só gosto do nome e de seu significado.
Perguntas da Amy:
Imagem: Tumblr.
  1. Se você fosse um animal, qual seria? Porque?
    R: Acho que seria um gato, ou um felino, porque amo gatos.
  2. Descreva-se em uma palavra:
    R: Indecisa (acho! hauahau XD). Tenho muita dificuldade de me decidir. Meu arcano é "Os Enamorados", acho que combina bem comigo para algumas coisas.
  3. Porque você decidiu ter um blog?
    R: Sentia necessidade de expor meu ponto de vista.
  4. Qual peça não pode faltar no seu guarda roupa?
    R: T-shirts (sou viciada), tênis (estilo All Star) e botas.
  5. O que você não sai de casa sem?
    R: Meu colírio para o problema de olho seco.
  6. Se você pudesse ter um poder, qual escolheria?
    R: Queria ter os poderes da Vampira (X-men) ou da Ravena (Jovens Titãs).
  7. Você tem medo de alguma coisa? O que?
    R: Tenho medo do tempo, de não me realizar na vida. De doenças e remédios, sou meio hipocondríaca. Tenho pavor de baratas e lacraias.
  8. Imagem: we<3it.
  9. Qual a sua comida favorita?
    R: Comida japonesa! Salmão! Gosto de massas (lasanha, nhoque), saladas (principalmente, salada de soja).
  10. Qual o seu filme favorito?
    R: Xi, que difícil. Gosto de filmes de terror, suspense e alguns de drama.
  11. Qual desenho marcou sua infância?
    R: "Abracadabra", é um filme que amava. "Rei Leão" e "A Bela e a Fera".
  12. Qual presente você gosta de ganhar?
    R: Tantas coisas... Coisas que estou querendo. Pode ser livro, perfume, roupa... Se for Dark, Cute ou Lolita, vou amar. <3
Bom, não vou indicar ninguém, porque não tenho tantas amigas blogueiras para repassar a brincadeira. Algumas já até fizeram.

No domingo, foi meu aniversário. Fiz 24 anos. Não estava animada (muito menos tinha dinheiro para me animar). Fiquei com a minha mãe, fizeram um churrasco e compraram pizza (como de costume), e ganhei dois bolinhos. Não tirei nenhuma foto. Só foi com a família mesmo. Conforme a gente envelhece, menos presentes, a gente ganha. >.<

sábado, 28 de janeiro de 2012

Últimas Aquisições - Dezembro e Janeiro

Aqui estão as coisas que ganhei ou comprei nesses 2 últimos meses. Acho que vou passar a fazer esse tipo de post a cada 2 meses mesmo.

Marca: Offbrand (não há nenhuma etiqueta)

Este foi um presente de Natal da tia Vivi. É da loja da minha vizinha. Comprou um modelo igual para a minha irmã Hellen, mas a estampa é diferente. Adorei, é uma gracinha, ele tem um ar sexy e romântico. Tem um tom off-white.

Marca: That's It [Teens]
Loja: Leader

Presente de Natal do meu pai. Minha irmã Isabella escolheu. E eu adorei a estampa. ^^




Marca: That's It
Loja: Leader
Preço: R$39,99

Mais um presente de Natal do meu pai. Originalmente, era um short branco para eu usar no Ano Novo. Só que ele ficou enorme (e não gosto muito de shorts branco), então troquei por um listrado branco x azul. Só que quando cheguei ao Rio, percebi que ele não combinava muito com o que eu tinha, então troquei de novo, por esse short e uma calça (abaixo).

Marca: That's It [Teens]
Loja: Leader
Preço: R$19,99

Parte do presente de Natal do meu pai. Esta foi um verdadeiro achado. Ela custava R$59,99, mas estava na promoção. Gostei muito da calça, apesar de ter ficado um pouquinho larga. Nada que o cinto não resolva. Acho que fiz um bom negócio em trocar o short, com o preço dele consegui 2 peças boas.

Marca: Offbrand (não há nenhuma etiqueta)

Ganhei esta regata do amigo oculto de Natal da família da minha madrasta. Não conheço a pessoa que me tirou e nem ela me conhece. Gostei da blusa, é simples e básica.

Marca: Trifil

Lembrancinha de Natal de uma das minhas tias.






Marca: Avon (Color Trend)

Minha mãe é revendedora Avon, então ela me deu esse brilho de menta.





Além dessas coisas, ganhei uma pinça muito boa, uma base em bastão da Color Trend (Avon), sutiã e calcinhas da DeMillus, tudo dado pela minha mãe.



Review do Depilador Philips Satinelle Soft HP-6609:

Presente de Natal do meu namorado. <3 Eu vinha com muita vontade de comprar um depilador elétrico, então lhe pedi de Natal. Ele tem 4 capas: uma levanta os pelos, outra massageia, outra para depilar áreas sensíveis (axilas) e uma com pente, que é usada apenas com a cabeça aparadora. Vem um pincel para limpeza e uma bolsinha.

Como sou muito sensível a dor, sofri bastante da 1ª vez, até porque eu não costumava depilar as pernas. Demorei 2 dias para terminar de depilar as pernas completamente, então não achei muito prático, a princípio. E pensei "Cara, isso dói! Não é como os comentários que li... Isso porque é o modelo 'melhorzinho'... T.T" Eu diria que a só não doeu mais que a minha tatuagem (quase morri quando fiz). Agora já não demora e nem dói tanto, como tenho depilado toda semana, ainda não tem muito pelo e estão no tamanho bom.

Reparei que alguns pelos não estavam sendo arrancados e sim cortados. Talvez porque eu não saiba ainda usá-lo direito. Alguns tem encravado. Sinceramente, acho que a cera é mais rápida e menos torturante. Mas é um bom investimento, não me arrependi, tenho usado bastante.

Marca: Philips
Loja: Submarino
Design:
Desempenho:
Suavidade:
Preço:
Nota final:
★★★★☆
★★★★☆
★★★☆☆
★★★★☆
★★★★☆



Review das Sombras Neon da Mell's Color:

Sombras neon estavam na minha wishlist há algum tempo, mas eu nunca encontrava um kit com todas as cores que eu queria (as cores do arco-íris). Aí, achei essas. Mas eu estava procurando alguém para rachar comigo, já que não vou usá-las tanto. Aí, minha mãe aceitou. Comprei potinhos, e dividi com ela, saiu por R$23 para cada uma (os potes foram R$6 e o frete saiu de graça de tudo). A moça responsável foi muito atenciosa e chegou tudo rápido.

São 10 cores opacas: rosa, magenta, cerize, violeta, azul, verde, amarelo limão, amarelo ouro, laranja, vermelho. E são artesanais, marca brasileira. Não conhecia, achei no Mercado Livre quando procurava por sombras neon. Ainda não usei, então esse review vai ficar meio capenga. Mas depois que eu usar, vou melhorá-lo.

Marca: Mell's Color
Loja: Mercado Livre (Annclauss)
Preço: R$40
Qualidade:
Serviço:
Preço:
Nota final:
★★★☆☆
★★★★☆
★★★★★
★★★★☆

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Metas para 2012

Imagem: we<3it.

Não acho que, só porque o ano recomeçou, a vida vai mudar. Ela continua, e a minha, no caso, continua a mesma coisa.

Mas, nesse fim de ano, eu estava ansiosa para que 2011 acabasse logo. Não costumo ter aspirações para o novo ano, porém, como 2011 foi f*da, decidi fazer diferente, estou desejando avidamente que este ano seja maravilhoso, seja "O ANO". Afinal, é o ano do fim do mundo, então, ele TEM QUE SER ótimo. Tenho que ficar ryca esse ano, né, porque senão não vou ser mais! XD E, de preferência, antes do fim do ano. Aí, vou dar uma big festa no dia 21/12 e vou morrer feliz. XD

Imagem: we<3it.

Voltando... É a primeira vez que faço uma lista de metas para o novo ano. A maioria está relacionada a saúde, que não tenho cuidado tanto... Eis minhas metas:

  1. Ficar ryca! Antes do fim do mundo de preferência! >:D
  2. Tratar o olho seco.
  3. Verificar como anda o tratamento do olho seco.
  4. Fazer exame de vista.
  5. Trocar de óculos.
  6. Fazer exames de rotina.
  7. Descobrir e tratar as dores de cabeça.
  8. Descobrir e tratar minhas dores nas costas, nos joelhos, no ombro e na mandíbula.
  9. Descobrir e tratar meu problema de ouvido.
  10. Descobrir e tratar meu problema nas unhas.
  11. Ir ao ginecologista.
  12. Fazer uma boa limpeza nos dentes.
  13. Colocar aparelho.
  14. Me alimentar melhor.
  15. Engordar uns 5kg.
  16. Beber mais água.
  17. Fazer academia.
  18. Cuidar mais dos cabelos e da pele.
  19. Aparar o cabelo em janeiro.
  20. Aparar o cabelo em junho ou julho.
  21. Aparar o cabelo em dezembro para o fim do ano / mundo.
  22. Deixar o cabelo na cor natural.
  23. Deixar o cabelo crescer (chegar depois do busto).
  24. Voltar a ler.
  25. Voltar a escrever, com letra cursiva.
  26. Fazer cursos.
  27. Estudar mais (aumentar meu coeficiente de rendimento).
  28. Estudar lógica de programação / algoritmo.
  29. Estudar alguma linguagem de programação (PHP, C ou Java).
  30. Pensar sobre o TCC.
  31. Conseguir um bom emprego / estágio.
  32. Tentar ser mais calma.
  33. Tentar aproveitar mais o tempo / ficar menos no pc.
  34. Me divertir mais.
  35. Fazer meu Guro Lolita para o Halloween.
  36. Voltar a tocar violão / ter banda / cantar.
  37. Guardar dinheiro (reaprender a ser econômica).
  38. Tentar ser mais comunicativa.
  39. Tentar cultivar amizade.
  40. Dormir mais cedo.
  41. Voltar a crer no divino.
  42. Se o mundo não acabar, agradecer por estar viva.
Imagem: we<3it.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Fim de Ano (2011)

Imagem de we<3it.

Olá, gente bonita. Pois é, dei uma sumida. Minha última atualização foi no dia 17/12, e daí para frente foi tudo muito corrido:

Missa e aniversário de 15 anos da minha prima (18/12): de manhã, foi a missa de 1 mês de falecimento da minha avó. E, à noite, a festa, que foi ótima, embora eu estivesse magoada com a minha tia. Senti falta da minha avó, queria tanto ir. Fui de lolita.

Viagem do meu avô (20/12): ficou um caos aqui.

Confraternização da empresa (22/12): amigo oculto no Demas & Divas, foi legal. Ganhei um vale-presente da Saraiva, pois meu chefe deixou para comprar o presente em cima da hora e não achou o que eu queria [OFF] Fiquei um pouquinho desapontada. Não posso esquecer de usar logo [/OFF].

Arrumação das malas (durante a semana) e ida para BH (23/12): Eu e meu namorado ganhamos uma dispensa de 10 dias, então fui para a casa do meu pai passar fim de ano. Arrumar as malas é um tanto massante, fico dias arrumando e sempre até de madrugada. Ainda mais quando compartilho minha mala com meu namorado. Nosso voo atrasou 1h, então aproveitamos para jogar xadrez.

Trabalhos domésticos a rodo: tirei 10 dias de folga, para fazer trabalhos domésticos em vez de descansar... ¬¬' Mas fazer o quê.

Natal: passamos com meu pai e parentes. No dia 25, fizemos um amigo oculto e visitamos uns amigos.

Imagem de A Quinta Aurora.
Idas ao cinema: assistimos "Missão Impossível - Protocolo Fantasma" com minha irmã e uns amigos. Não gosto desse tipo de filme, mas até que foi bom. Assistimos "Imortais" em 3D na pré-estreia com meu pai e minha madrasta. O filme é muito bom! Gostei demais, apesar de alguns problemas no cinema (mas ainda sim, acho "300" melhor).

Ano novo: passamos com alguns amigos, tomando um pouco de Ice, comendo churrasco e vendo os especiais da Globo.

Aniversário do meu pai, missa e ida à Praça da Liberdade (01/01): alguns parentes nos visitaram. Fomos a missa (demorada), e tentamos ir a praça para ver os enfeites desse natal. Mas não conseguimos sair do carro, chovia muito.

Volta para Rio (02/01): fiquei catando as coisas e arrumando a mala. Foi o dia que mais choveu. Isso nos atrapalhou. Se o voo não tivesse atrasado, talvez não tivéssemos chegado a tempo. E a nossa partida atrasou tanto... Era para estarmos aqui às 20:30, chegamos quase 23:30! Pegamos tanta turbulência que fiquei com medo, e olha que estou acostumada a viajar de avião. Jogamos xadrez. O Alexandre Pires estava no voo. 

No dia 3, a volta para o trabalho, e, ufa! - fim da correria (acho).

Não teve um dia sem chuva enquanto estive em BH. E o pior é que levei um monte de roupa de verão, senti bastante frio. Talvez eu faça um post mais para frente com as fotos da festa, da confraternização e do natal.

Novidade: minha mãe me conseguiu um emprego com um salário bom, bem quando eu corria o risco de levar um pé na bunda. Por enquanto, vou ficar um ou dois meses de teste, e vou ficar como free lancer na outra. Se gostarem de mim, vão assinar carteira. O ruim: é longe da minha casa, vou ter que acordar antes das 6, e talvez me prejudique na faculdade, então, vou tentar negociar o horário. Ok, o emprego não vai rolar mais, por causa do parentesco! T.T

Espero que vocês tenham tido um feliz natal e um ótimo ano novo! ^.~

Imagem de we<3it.