terça-feira, 10 de abril de 2012

"Wish You Were Here"

Igor Morais, vítima da tragédia em Realengo.
Imagem: G1.

"Como eu queria, como eu queria que você estivesse aqui. Somos apenas duas almas perdidas nadando em um aquário. Ano após ano, correndo sobre este mesmo velho chão, o que encontramos? Os mesmos velhos medos. Queria que você estivesse aqui."
~ "Wish You Were Here", Pink Floyd.

Já se passou um ano, e pergunto - quantos se lembraram? Não vou julgar quem esqueceu, afinal de contas, se não tivesse sido tão próximo de mim, talvez não tivesse lembrado.

Infelizmente, foi com uma tragédia que meu adorado-odiado bairro ficou conhecido, até mesmo internacionalmente. Antes, às vezes, lembrado na canção de Gilberto Gil - "Alô, alô, Realengo, aquele abraço!". Preferia que lembrassem só da canção.

Um ano depois, o que mudou? Precisou acontecer uma tragédia para que melhorassem a escola e até o ensino. Fizeram as mudanças para tentar enterrar o que houve. Que fizessem a mudança, mas não esquecessem. Deveria ser lembrado sempre, com carinho. "Quem semeia o mal, colhe tempestade." Nossos atos interferem no futuro. É uma lição que deveria ser aprendida.

Naquele dia, eu e meu avô estávamos indo para uma audiência. Passamos ao lado do policial que, meia hora depois, viraria herói. Estava tendo uma blitz na rua. No meio do caminho, minha avó nos ligou dizendo que estava tendo um tiroteio na Piraquara, que tinha criança ferida. Estava com medo de ter sido na escola da minha irmã. Não era. Depois do ocorrido, não se falava em mais outra coisa. Nunca vi tanta gente para falar de "Realengo" e "Piraquara", como se conhecessem.

Moro há 200 metros da escola onde tudo aconteceu. Filhos de vizinhos e conhecidos estudam lá. Conhecia o Igor de vista. Ele era um primo de consideração de um amigo. Já consigo olhar para a foto da minha avó sem meu olhos encherem d'água, mas não para a foto dele. Era bonitinho. Sempre me lembro de como ele se foi tão jovem, com tantos planos e sonhos (queria ser jogador de futebol), da maneira brutal como foi morto. De como ele e o irmão, Dudu, eram tão amigos... É estranho ver o Dudu sozinho, e sempre que o vejo não consigo não pensar no ocorrido. Na dor das famílias...

Antes da morte da minha avó, a perda do Igor foi a maior dor que eu já tinha sentido. Seu enterro foi o primeiro que fui. Se eu sofri tanto por alguém que só conhecia de vista, imagina os familiares. Agora sei que é uma dor indescritível.

Outro fator que me faz não esquecer é a probabilidade de eu ter estudado com o atirador, antes de ele ir para a Tasso, na 5ª série. Lembro que cheguei a estudar com alguns "Wellingtons". Sempre soube que seu rosto me era familiar. Só o conhecia de vista. Tenho quase certeza de que o tenho em uma da minhas fotos de passeio. Quero achá-la. E aí talvez solucione minha dúvida. Já meu amigo estudou com ele no Ensino Médio, também só o conhecia de vista. E quase estudei na mesma escola. Quase sempre passo em frente a casa onde morou.

Falam que ele era tímido, quieto. Que sofreu bullying. "Esquisito". Aí, temos algo em comum. Eu era tímida, quieta, sofri bullying (e ainda sofro às vezes), sempre me tachavam de "esquisita". Questiono: por que será que não fiquei como ele? Talvez porque eu queria encontrar pessoas que me aceitassem, em vez de me afastar completamente. Ou talvez se eu fosse homem, eu tivesse ficado mais parecido com ele. Mas eu nunca pensei em fazer mal a ninguém, mesmo a quem me fez mal. E nunca apoiei atos anarquistas ou terroristas, porque sempre quis tudo certo, dentro das normas. Isso é graças a educação rígida e traumatizante da minha avó, mas ela podia ter me transformado em um monstro.

A tragédia em Realengo me marcou tanto que virou um fantasma. Sei que é pior para aqueles que viveram e ainda vivem o terror. Não houve um único dia que não deixei de pensar, mesmo que por um minuto. E conforme foi se aproximando da data, entrei em contagem regressiva. Lembrar sempre mexe comigo, às vezes, fico com os olhos marejados. Mas até que é bom, para me fazer refletir.

"E todos terão refúgio nas leis. E ninguém mais matará crianças.
Noite após noite, rondando meu cérebro, seu sonho está enlouquecendo-me. E no canto de algum campo estrangeiro, o atirador dorme esta noite. O que está feito está feito. Não podemos simplesmente cancelar sua cena final. Presta atenção ao seu sonho. Presta atenção."
~ "The Gunner's Dream", Pink Floyd.

domingo, 1 de abril de 2012

Show do Roger Waters

Começo do show.

Há umas 2 semanas atrás, estávamos vendo Fantástico. Não é comum fazermos isso, mas quando posso, gosto de assisti-lo. Então passou a reportagem sobre o show.
Glauco: "Ah, não! Tenho que ir!"
Eu: "A gente nunca vai aos shows... E ele já fez show aqui."
Na mesma hora, ele comprou os ingressos pelo celular. Simples assim! Foram R$90, mais taxas, isso porque foi meia. No outro fim de semana, fomos ao shopping retirar os ingressos.

Vista do Engenhão pelo estação de
trem.
E então, chegou o grande dia. O melhor de toda a minha vida. Por causa do trem demorando, acabei por me atrasar, cheguei quase às 19h. Encontrei o Glauco no hotel perto de lá para deixar as coisas. Levamos o mínimo para não correr riscos. Depois o Glauco se arrependeu de não ter levado o celular (grava em HD e fotografa melhor que minha câmera), mas seria muito arriscado ir ao show com um celular de R$2000.

A melhor coisa que a gente fez foi alugar um quarto. Pudemos deixar nossas coisas, não corremos riscos voltando tarde para casa (que é longe), e tomamos banho, depois de um dia cansativo e suado de trabalho, fomos limpinhos e cheirosos. Depois descobrimos que teria trem (mas mesmo assim seria perigoso) e que o pai de um amigo que mora perto da gente iria buscá-lo.

Dentro do Engenhão, antes do
show.
O show começava 21h, mas atrasou 30 minutos, e terminou até cedo, meia-noite.

Encontramos um amigo de trabalho do Glauco com a namorada, então nos sentamos juntos com eles. Eles também optaram pela nossa ideia de alugar um quarto.

Eu estava achando que o lugar que a gente pegou seria ruim, mas até que não. Na realidade, não faria diferença, ia ser ótimo de qualquer forma. Não senti inveja nenhuma daqueles que estavam na pista / pista premium. Tava lotado e teria que ficar em pé. E não conseguiria ter uma visualização tão boa de todo o palco e do muro.

Um pouco antes do intervalo.
O show foi simplesmente incrível, foda. Não tenho palavras para descrevê-lo como exatidão. Quero ainda ir a muitos show, mas duvido que irei a um melhor que este. Foi uma oportunidade única e valeu cada centavo, mesmo eu não sendo fã de Pink Floyd. Houve uma grande sensibilidade artística, "The Wall" é uma verdadeira obra-de-arte.

As melhores partes foram a abertura e a 2ª parte do show. O muro é a alma, é enorme e vai se fechando com o passar o show. A performance do Roger Waters foi digna de um ator. No muro parecia até filme. Para quem disse que não é bom cantor nem bom guitarrista, ele canta e toca até bem. E é um dos tios mais lindos e charmosos que já vi. E o grand finale: a queda do muro.

Intervalo. Ao fundo, no muro, as
fotos das pessoas mortas.
Nem acreditei que teria intervalo. No muro, ficaram as fotos de pessoas que morreram.

Pena que meus cartões de memória ficaram todos cheios. Se eu soubesse teria guardado mais para 2ª parte. Minha câmera ainda me ferrou, pois ela não avisa quando o espaço está acabando, e quando acaba, não salva e o vídeo fica corrompido. Perdi 2 vídeos do show assim.

O que não gostei foi do show ter sido no meio da semana. Ter que enfrentar o trabalho. Tive que faltar a faculdade. Como tive insônia, passei o outro dia mal e nem fui para a faculdade.

No meu Ensino Médio, conheci "The Wall" por um professor, passou o filme como trabalho. Era fã de Pink Floyd. Fiquei pensando que ele deve ter ido ao show. Se não foi, teria o prazer de jogar na cara dele. ahuahauah XD

Tirei poucas fotos, minha câmera é uma merda, então a melhor opção era os vídeos. Glauco tirou algumas, se ele me passar, depois posto. (Obs.: Eu tava horrível, sem maquiagem e cabelo péssimo...)

Os vídeos que fiz - assistam por favor (se tiverem saco):


Achei esse link com umas fotos interessantes do show.